Páginas

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Placebo

Absorvo tudo que observo
Absolvido dos meus pecados
Sorver a cura
E dissolver lentamente tudo que esta latente
Tudo que lateja em meu corpo
Abolir a dor
Ebulição catastrófica de pensamentos
Burlar a morte
Elaborar mais uma oração
Bolor de culpa, bipolar o tempo que não passa
Sirva-me os placebos inventados
Para que eu sirva de cobaia para suas experimentações.

4 comentários:

Clara disse...

o jogo de palavras foi simplesmente genial.
ah, queria que meu tempo fosse apenas bipolar, mas ele é, na verdade, multipolar.
quer isso seja possível, quer não

Marcela Brunelli disse...

Eu preciso de placebos constantemente. Não vivo sem eles.

Daniela Yoko Taminato disse...

cobaias de experimentos alheios. o amor não acaba sendo um pouco isso? entre cientistas e ratos, sempre um coração machucado.

Bruna disse...

isso deve ser ruim.