Páginas

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Quarto

No meu quarto não há saída
tudo que me protege me aprisona
abrigo e refugio são sinonimos,quando estamos desesperados
a porta se fecha,a boca se queixa,enclausurando a cura
a vida se repete,dentro da minha cabeça vazia
sempre o mesmo medo,sempre a mesma fobia
esquivo,aquilo que equivale a vida
nego o sangue que faz meu coracao bater mais rapido
a vontade desmaia,e as palavras só existem nos livros que leio
e que nada me ajudam
Queria um dia,acordar e sentir que faço parte do mundo
ou pelo menos
Que faço parte de alguém.

2 comentários:

Yasmin Souza disse...

me indentifiquei bem fundo com este,adorei.

maria disse...

me indentifiquei bem fundo com este,adorei [2]