Páginas

domingo, 10 de janeiro de 2010

Nossa vida não cabe em um Opala

Nos conhecemos,corações a cem por hora,andamos de mãos dadas,quase na contra-mão,de sinais que nao impediam a gente da intensidade do envolvimento,faziamos as curvas sem se importar com as outras pessoas que estavam ao nosso redor,a rotina nunca fez sinal vermelho para,e de tanto a gente se gostar,nao notamos o farol amarelo,pedindo para ter um pouco mais de calma e cautela,nao ligamos,continuamos acelarando..a correr,como se a estrada fosse nossa,voce fazia a estrada ser nossa,ou melhor,voce fazia tudo ser nosso,mas em determinado momento,a velocidade foi baixando,caindo pra 50,40,e nessa hora já nem estavamos com cinto de segurancas,e isso foi imperceptivel, ela foi assim diminuindo entre buracos,e faltas,entre saudades e perdas,até que um dia,estavamos naquela rua que voce tanto gostava,e o carro simplesmente morreu.

Um comentário:

Bruna disse...

hahahhaa reflexões por msn dão nisso