Páginas

sábado, 24 de setembro de 2011

Despotismo ébrio

Ele na sala, ela na cozinha
Ele vendo o jogo de futebol, ela lavando o jogo de jantar
Ele pede, ela vai
- Amor, me traz uma cerveja?
- Claro, paixão
Passa-se alguns segundos
- Amor me traz outra?
- É pra já
Mais alguns segundos
-Amor, tem como você trazer outra?
- Já to indo. Diz sem muita paciência
Ela entrega nas mãos cegas de seu marido, e retorna a cozinha, mal dá tempo dela chegar a pia, e já o escuta
- Mais uma amor
- Ok
Ela limpa a mão no pano de prato, retira o avental, e cruza a sala sem dizer nada, ele imaginando que a cerveja acabou e que ela vai buscar mais, sorri satisfeita.
Ela volta aparantemente sem cerveja alguma, somente com um objeto meio retangular, que ele nem presta muita atenção.
Ela vai até a cozinha desembrulha o tal objeto, e o estaciona do lado do sofá
- Pronto, isso é um frigobar, e está cheio de bebida
Ele sem desviar o olhar do jogo, diz :
- Mas para que eu quero um frigobar do meu lado, se a graça é pedir pra você trazer a cerveja?

2 comentários:

Nathane Dovale, disse...

que cara sacana haha eu separava na hora!

Carol disse...

machista é pouco! ¬¬