Páginas

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Pai

Eu não gosto quando meu pai me pergunta se preciso de algo,e principalmente não gosto quando ele vai para a padaria,ou mercado,e pergunta se quero que ele compre ou traga alguma coisa de lá,e por mais que eu esteja louco por aquele sorvete,ou por aquela torta,eu digo que não,que se eu quiser,depois eu vou.Eu não sei,quando ele pergunta se quero algo da rua,ele parece me reduzir novamente a um ser inutil,que quando crianca nao podia sair na rua.Era sempre asssim,eu o observava de longe,colocar um tênis,uma camisa nova,e pedia pra ir junto,perguntava
: - Pai,aonde voce vai?e sem nem mesmo saber aonde ele ia,eu ja imendava - Posso ir junto?não importava o lugar,eu queria estar na companhia dele,sair de casa,andar por ai,quem sabe andar na rua e meu pai gritar,para que eu ande na calçada.era isso que eu queria.Mas por motivos que eu não descobri até hoje,ele nunca me levava,dizia que eu não precisava ir,que era só eu dizer o que eu queria,que ele trazia pra mim.Eu imaginava o quanto o lugar devia ser inospito,para nao querer que seu filho fosse.
E os dias seguiram assim,ate eu crescer e poder ir a padaria,ao mercado sozinho.Mas ele ainda bate a porta e fala que vai a rua,e pergunta se eu quero algo,e nessa hora me da uma tristeza,me sinto impotente,e volto ser aquela criança,que não podia acompanhar o pai,ao um simples passeio.

2 comentários:

Marcela Brunelli disse...

Talvez se ele perguntasse: "filho, quer ir comigo à ádaria?' vc se sentisse melhor.
=)

irreverente, Eu. disse...

Adorei, sem mais =)