Páginas

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Egóico

É um eterno ciclo,meu ar puro é entrar apuros,com medo de ser julgado,fico timido,mas sou mais julgado ainda,pela timidez,não há como escapar.Quem nasceu primeiro?a insegurança ou a depressão?.Acabo ficando sem respostas,mas a ordem dos fatores,não altera minha tristeza,tristeza cronica,sem ordem cronologica.E eu me enfio em teorias e livros,me perco entre causas e efeitos,achando que assim,serei mais social,descobrir o porque,para ser,pura ilusão,o relogio não precisa saber como o tempo funciona,para dar as horas.O conhecimento na minha alma,em reminiscências,mas que se esconde,quando é posto em prova,dialetica obscura,maiêutica,ironia socrática,que persegue meu medo.Sou um padrão para a sociedade,há o meu jeito,e todos os outros.A carencia,me faz admirar,todo tipo de eloquencia,e deixa a perfeicao mais palpavel,acabo por admirar todos,todos que não sou eu,todos que não são,esse silencio materealizado,esse silencio personificado,essa falencia das palavras.Condoido,eu me parto,em mil pedacos,e a minha partir,é para parir a verdade,sigo,sozinho,sempre sozinho.
Eu ja afastei Deus,e todos os demonios,minhas reclamacoes sao pedantes demais,até mesmo para o inferno.Minha memoria em cinzas,minha boca fica seca,a dificil tarefa de viver.Há algo em mim que ainda não foi descoberto pela ciencia,há uma especie de doença ainda não catalogada.
Há algo interessante em mim,entre toda a surdez da minha consciencia e toda a mudez da minha intuição.
Eu prevaleço vivo,somente por covardia,achando que o meu silencio em vida,será maior que o meu silencio em morte.Por que em minha morte,ó Deus,em minha morte,minha alma e o meu espirito hão de falar por mim.

3 comentários:

Karla Sanchez disse...

Iuri despido em linhas.

irreverente, Eu. disse...

"minha alma e o meu espirito hão de falar por mim."

- falou tudo!

Erica Vittorazzi disse...

'Minha alma e meu espiríto hão de falar por mim'... enfim livre.
Livre do catálogo do DSM 4 e de todos os outros rótulos que inventaram para nos calar.

Demais, Iuri.
beijo