Páginas

sexta-feira, 23 de março de 2012

Semântica

Te descobrir na prosa
Para te cobrir em poesia
E te amar sem metáfora
Pois não há sinestesia que se compare ao nosso verbo.

2 comentários:

Marcela Brunelli disse...

E eu não tenho adjetivos pra esse poema.

Daniel Gago disse...

Parabéns, como a menina aê de cima falou: não tem como ajetivar esse poema.

Visite meu blog de poesias tb: http://gagopoetico.blogspot.com.br/