Páginas

segunda-feira, 19 de abril de 2010

A corda

Julia e André,eram amigos de infância,um vivia na casa do outro.Certo dia,resolveram selar uma amizade eterna,uma espécie de pacto.Eles combinaram de cada um,pegar uma ponta de uma corda,e segurar,caso,alguém soltasse,seria sinal que amizade teria terminado.
O tempo foi passando,e amizade crescendo,e os dois a todo momento segurando sua respectiva ponta,não importava o que faziam,ou aonde iam.uma das mãos estava sempre ocupada.Independente da distancia em que os dois estavam,a corda permanecia esticada e inteira,já que era suficientemente grande,para se manter assim.Embora nenhum dos dois tenham a medido,não era preciso medir,os dois respondiam quando partilhavam desse segredo para os outros.Os dias mais frios vieram,junto com aquele clima melancólico,e os dois,já crescidos,trabalhando,se viam com cada vez menos freqüência,e André começou a ter mais autonomia sobre si,ser dono do nariz,já que desde sua infância era muito dependente de Julia,e era uma dependência recíproca,recíproco também,foi o pensamento de Julia,que estava louca para ser coroada rainha de si.E o que era símbolo de amizade,virou um cabo de forca aonde ambos,com suas suficiências puxam o comprometimento.Daí não deu outra,os dois se distanciaram,e a corda,mais especificamente o meio dela,ficou esquecida,jogada na rua,e longe o bastante da visão dos dois,quando uma criança,a viu,pegou uma tesoura e cortou a corda ao meio,sem saber a mesma representava,para ela,era apenas uma corda.
Julia e Andre ainda seguram suas pontas. As vezes a noite,Julia e Andre,seguram a ponta com tanta força,que seria impossível separá-los.
Julia e Andre,nunca souberam da ruptura da corda.

Um comentário:

irreverente, Eu; disse...

Ficou ótimo, ou melhor, bom demais :)