Páginas

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Original

Dessa vez eu não me importei,não mapiei nenhum sentimento,sobre nenhum papel intenso,extenso sabersobre mim,o que digo,são pensamentos soltos,em voz alta,que servem para me prevenir de algo que vai me fazer chorar.Dessa vez eu nao me importo,apenas me distraio com todas as palavras que nao sei o significado,com todas as palavras que tem em seus sentidos radicalmente perdidos em um corpo analfabeto.
Se alguma vez,fui tolo,o bastante para te enganar com minhas palavras,hoje só quero que o meu silencio te desculpe.ó imperdoaveis horas,que exige eu te amo,que eu exige de seus labios,uma prova maior,do que o seu melhor beijo.
Fui infiel a minha personalidade,quase rasguei meu corpo,quando minha alma quis voar.De tudo que mais me arrependo,é da falta de tato,que ao perceber que a felicidade era inatingivel,correu de medo.Tudo que tenho hoje devo a minha falta de sentido,a minha grande loucura de te confundir.Tolos,adoram confundir,e acabam adornando tanto seus fieis sonhos,que o romantismo,deixa de ser belo.Eu me perdi,quando deixei de ser natural,quando atribiu para meus sentimentos,aquelas frases roubadas de um filme qualquer do woody allen,nao mais me baseio na arte,e sim na vida que tenho.Hoje deixo de ser original,para ser um pouco mais humano.Hoje,deixo de ser pensador,para ser um pouco mais prático.Hoje,eu deixo de ser um chato,para ser,um pouco mais,natural.

2 comentários:

Marina disse...

ai que lindo, deveria se chamar "a cura" sajodfijaoipdjas.
e voce não é um chato, nunca foi!
te amo

Bruno Guedes disse...

"Fui infiel a minha personalidade,quase rasguei meu corpo,quando minha alma quis voar."

Perfeito... Muito perfeito, mesmo...